Esse post decorre de experiência adquirida em viagem recente à região, e tem como objetivo ajudar os viajantes a montar suas próprias estratégias ao decidirem visitar o que vulgarmente se denomina Leste Europeu. Aliás esse termo é bem abrangente, englobando cerca de duas dezenas de países situados entre a parte ocidental da Europa e a fronteira com a Ásia. Isso importa em falar de Rússia, Repúblicas Bálticas, Repúblicas dos Balcãs, Romênia, parte da Turquia, Moldávia, Bulgária, Ucrânia, Hungria, Eslováquia, Polônia, República Tcheca, Bielorrúsia, Macedônia, Albânia, e até mesmo algumas áreas da Alemanha e da Áustria. Read More →

Numa viagem como essa, onde passamos por lugares tão espetaculares quanto distintos, fica muito difícil (pra não dizer praticamente impossível) eleger apenas um único que tenha se destacado dentre todos. Mas, Hvar poderia facilmente ser a minha opção, caso fosse obrigatória uma eleição. Sorte que não preciso escolher nada, pois apenas faço um mero exercício de especulação. Não seria surpreendente também se perdesse o posto para dubrovnik, plitvice lakes ou sarajevo. Se tivesse que decidir, não seria tarefa fácil e qualquer uma que vencesse, o faria com diferença mínima para as demais. Mas, com segurança, afirmo que os quatro lugares seriam os finalistas destacados. Todos deixando Split para trás por uma pequena diferença.

20140507_111109 Read More →

Vamos adiante com essa trilogia sobre Nova Iorque. Vou apenas me abster de falar o óbvio, pra não cansar quem estiver me brindando com a leitura. Tipo, “visite a estátua da liberdade, suba o empire state, conheça Chinatown e seus múltiplos produtos falsificados, vá comer no Hard Rock Café da times square”, etc. Isso não preciso repetir pela milésima vez. Não foi pra isso que você veio parar aqui… 

Pois bem, nesse texto, vou me dedicar a falar sobre as compras e sobre os restaurantes na cidade, deixando as atrações e passeios em geral para um terceiro e último post.

Read More →

Vou me permitir inverter a ordem da viagem e contar sobre Roma antes de falar sobre a Toscana, embora esta tenha sido visitada primeiro. E a razão é simples. O único e enorme post de Roma (este aqui) já está pronto, ao contrário dos 5 ou 6 da Toscana. Pois bem, finalizando o nosso giro pela Itália, neste ensolarado junho de 2013, início de mais um verão europeu, após esquadrinharmos a Toscana, finalmente viemos parar em Roma, capital da bota, uma das cidades com maior importância no mundo desde a antiguidade, sendo um dos símbolos da civilização europeia. Read More →

“A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse: “Não há mais o que ver”, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre. (do livro VIAGEM A PORTUGAL, José Saramago)

Invocando o magistral Saramago, prêmio Nobel de Literatura, peço vênia para falar, com respeito e admiração, do país que nos descobriu. Portugal é um país fascinante. Impossível não se render a ele. Portugal é moderno e antigo. Portugal, apesar de seu pequeno território, tem duas cidades cosmopolitas e históricas, como Porto e Lisboa, destacadas no cenário Europeu e mundial. Portugal tem praias, litoral, serras, múltiplas regiões vinícolas e um povo mais que gentil e hospitaleiro. O país respira história, cultura, gastronomia e vinho. E, apesar de pequeno, tem uma enorme diversidade cultural, apresentando uma série de micro regiões, cada qual com caracterísiticas muito próprias e especiais! E, melhor de tudo, eles ainda falam português, o original, de uma espécie meio difícil de entender, é verdade, mas de qualquer modo, soa familiar. Read More →