• fpcuesta@gmail.com

Atacama: magníficas impressões sobre o deserto mais seco e o céu mais estrelado do mundo!

Atacama: magníficas impressões sobre o deserto mais seco e o céu mais estrelado do mundo!

O Chile é um país fenomenal, comprido, estreito e com um territorio que percorre mais da metade da extensão continental da América do Sul. Apresenta uma diversidade de paisagens, que vão desde a aridez do deserto mais seco do mundo até as frias geleiras dos glaciares. Tem uma enorme vocação turística com a vantagem de estar muito perto de nós, o que o torna facilmente acessível e altamente convidativo à exploração.

Seduzidos por esta perspectiva e com a desculpa perfeita pela ocasião do matrimônio de um casal de amigos em Santiago (ela chilena e ele espanhol), partimos em busca das paisagens chilenas, em uma viagem que nos fez descobrir diversas maravilhas de nosso quase vizinho de porta. Cruzamos o país do extremo norte aos confins do sul. Desde o deserto do atacama até a patagônia chilena do parque torres del paine. Neste post, o tópico será o maravilhoso Atacama. Foto abaixo do vulcão Licancabur:

luna en el valle de la luna

Após os 3 primeiros dias dedicados à Santiago e ao precitado casamento, partimos para o deserto do atacama, um lugar que muito já tinhamos ouvido falar mas nada sabiamos o que dele esperar. Fomos sem expectativas e isso somente aumentou a grandiosidade da experiência. E, afirmo, é um destino imperdível e obrigatório!

O tão famoso e misterioso deserto do atacama é um lugar único. Não há como ficar indiferente à beleza quase inter-planetária de suas paisagens. Com quase 1000 kilômetros de extensão, seus visuais são tão exóticos e lindos que, às vezes, parece que estamos na lua ou em outro mundo, devido à sua improvável interface de cores e texturas consideravelmente destoantes do padrão comum. Um espanto! Uma enorme descoberta. Uma genuína alegria. Foto do Valle de la luna:

valle de la luna

É o lugar mais árido e seco onde já estive, sem qualquer dúvida. De se acordar à noite com a boca e a garganta quase rachando e sentir o seu corpo implorando por um pouco de água. Fica delimitado a oeste pelo Oceano Pacífico e a leste pela Cordilheira dos Andes. Na região central do deserto, existem regiões que chegam a ficar mais de 1000 anos sem chuva. Isto se dá porque a cordilheira atua como uma barreira, impedindo a entrada de umidade que vem do mar e da própria região amazônica. Assim, por força das correntes do Pacífico, quando se evaporam, as nuvens úmidas descarregam seu conteúdo antes de chegar ao deserto, podendo deixá-lo sem chuvas durante longos períodos. Esta é a causa de sua incrível aridez.

As temperaturas são quase sempre uniformes ao longo do ano, mas variam muito no decorrer do dia, oscilando cerca de 50 graus entre a manhã, o meio da tarde e a madrugada, quando cai bruscamente. Isto ocorre pela ausência quase completa de vegetação, tornando o local uma região extremamente inóspita e desabitada, com exceções aos pequenos vilarejos como San Pedro.

O Deserto do Atacama é muito visitado por todo tipo de turistas, inclusive os turistas de aventura, ávidos pelas muitas possibilidades que ele oferece, como trekking, alpinismo, cavalgadas, bicicleta (especialmente mountain bike) e off-road.

Para chegar ao atacama, não tem muita dificuldade. A menos que você queira encarnar o jovem che guevara e resolva, dispondo de muito tempo, explorar o continente em duas ou quatro rodas a escrever os seus próprios diários de motocicleta, a sua opção ideal, assim como a da maioria dos mortais, é pegar um vôo em Santiago, de Lan, e rumar até Calama. Esta cidade é a base de chegada à região, sendo que a cidadezinha de San Pedro de Atacama, onde provavelmente você vai ficar, está a pouco mais de uma hora de carro/transfer desde Calama.

Assim fizemos, conforme determina a cartilha e a chegada em San Pedro foi impactante. A uma, por ser um micro vilarejo com uma ruazinha (callecita) principal de terra batida e várias transversais dispostas da mesma maneira. Parece uma cidade do sertão brasileiro, como aquelas retratadas nas veredas de Guimarães Rosa, com a diferença singela do cenário vulcânico ao redor e da considerável infra-estrutura turística. A duas, pelo clima o mais seco possível, gerador de um grande desconforto físico que o organismo, sábio, por sorte rapidamente se adapta. San Pedro tem uma vida agitada para seu porte modesto, inclusive uma vida noturna, com bares e restaurantes lotados e pessoas conversando, se divertindo e planejando o próximo dia. Muita gente jovem de outros países da América do Sul que vem para uma visita, acabam se apaixonando pelo lugar e se mudam em definitivo, sendo que a maioria deles, acaba sendo absorvido pela forte indústria do turismo na região. Foto de uma típica ruazinha de terra batida em San Pedro de Atacama:

karine e san pedro de atacama

Acho que, com menos de 3 dias aqui, fica impossível ver sequer o básico. Para conhecer todas as melhores atrações e o ritmo de vida no local, acredito que 5 dias é o período indicado. Não faz muita diferença a época do ano escolhida para visitá-lo, pelas razões já expostas. Chegamos no meio da tarde e, após devidamente instalados no Hotel Tulor, tirada uma soneca básica, demos uma voltinha de reconhecimento pelo simpático centrinho de San Pedro e à noite jantamos no Restaurante La Estaka, (calle Caracoles, nº 259) que fica na rua principal do povoado. Muito bom e recomendado, oferecendo um ambiente agradável e aconchegante, conquanto rústico, além de uma comida gostosa e de preço razoável, com as delícias típicas da culinária regional, muito direcionada a pratos com milho, empanadas, yuka, (equivalente ao aipim) e a batata, além de famosos risotos (principalmente o de camarão). Dorminos cedo nos preparando para o dia seguinte, que seria intenso.

No primeiro dia completo em San Pedro de Atacama, iniciamos nossa jornada com um passeio ao famoso Salar de Atacama, antes passando por um local na estrada (carretera) com diversas árvores chamadas Tamarugos, espécie vegetal somente encontrada no Chile, cuja raíz chega a ser 5 vezes mais profunda do que uma árvore normal, para que ela possa encontrar água em um ambiente tão seco e inóspito. O Salar de Atacama é um lugar de paisagens deslumbrantes, localizado a cerca de 55 km de San Pedro de Atacama. Foto abaixo da imensidão do salar ( deserto de sal)

karine e o salar de atacama

É cercado por montanhas que não tem saídas para drenagem de água, o que faz com que as águas que descem da cordilheiras dos Andes não consigam escoar inteiramente, sendo então drenadas pelo sol, deixando o rastro de sal na terra, sal este que se precipita sob o efeito da forte evaporação. A visão é impressionante. Vendo, parece um chão de algodão, mas, de perto, o solo é muito duro, formado pela sucessiva cristalização de camadas e camadas de sal. É a maior planície de sal do Chile e a terceira mais extensa de todo o mundo, perdendo para os Salares de Uyuni na Bolívia e o de Utah, nos Estados Unidos.

Após dedicarmos boa parte da manhã à visita do salar, e passarmos pela Lagoa Chaxa, repleta de flamingos, fomos em seguida visitar as famosas Lagoas Altiplânicas chilenas, sendo as duas principais denominadas de Miscanti e Miñique. Localizadas a mais de 4000 metros de altitude, detém paisagens únicas, com um colorido espetacular e destacado. Ficamos impactados com as diferentes tonalidades da paisagem, em tons pastel, visual este agregado a enorme paz e ao enorme silêncio do local, só quebrado pelo vento, extremamente frio. As fotos da Karine parecem de mentira, ou montagem de photoshop mas, afirmo, o que se vê é isso mesmo, com essas tonalidades absurdas de verde, amarelo, ocre e azul. Um espanto. Quase surreal!

miscanti2

minique

miscanti

Aqui é o tipo de paisagem onde a pessoa precisa sentar, olhar ao redor e meditar, reverenciando Deus e reconhecendo toda a pequenez e a finitude do ser humano quando comparado à natureza (a la naturaleza). Estas duas lagoas altiplânicas são verdadeiros Oásis no meio do deserto. Um cenário de filme de ficção científica que existe no mundo real e está ao dispôr da humanidade. A pessoa quando se depara com essa cena, realmente custa a acreditar que possa ser real. Degustar a beleza deste quadro foi o que fez, solitária, a Karine, com toda a sua sabedoria. Foto abaixo:

karine e a miscanti

Após concluírmos esta etapa de nosso tour, ainda passamos pelo “Poblado de Tocanao”, habitado por um povo nativo que ainda vive sob o sistema da agricultura de subsistência, onde tivemos a oportunidade de almoçar em uma casa de família na região que recebia turistas para esta finalidade. Retornamos à San Pedro quase no final da tarde e jantamos no restaurante Cafe Export (esquina de calle caracoles con Toconao) para comemorar o aniversário da Karine comendo pastas frescas e empanadas gigantes regadas a “Pisco-Sour”, um drink destilado à base de limão, angostura e gelo, típico do Peru e do Chile. Dormimos cedo, pois o passeio do dia seguinte exigia um despertar/madrugar “muy temprano”, por volta de 3:45 a.m. Por que tão cedo, você deve estar se perguntando? A resposta tinha um nome: Geisers del Tatio. E o que é o Geiser del Tatio?

geisers amanhecer

Um gêiser nada mais é do que uma nascente termal que entra em erupção periodicamente, lançando uma grande coluna de água quente e vapor que jorra para o ar. São raríssimos no planeta terra existindo apenas em alguns poucos lugares do planeta.

A água subterrânea que se choca nas fissuras, cavidades e lençóis freáticos, quando em contacto com rochas e, principalmente, com a lava vulcânica encontrada abaixo, à elevadíssima temperatura, vai aquecendo gradualmente. A alta pressão a que a água se submete faz aumentar o seu ponto de ebulição, o que a obriga então a subir de forma violenta, em forma de jato, dando origem a esta manifestação de vulcanismo. Esses jatos podem atingir cerca de 80 metros de altura e apresentar temperaturas de 70 ºC.

O local exato onde a terra, neste exemplar chileno, oferece esse espetáculo mágico, um furioso balé de vapores efervescentes, fica situado a exatos 4320 metros de altitude, a uma distância de 2 horas e meia desde San Pedro de Atacama. É um campo geotérmico vinculado ao vulcão Tatio (daí o nome Geisers del Tatio) de onde afloram e jorram grandes quantidades de vapor das poças de águas ferventes. O fenômeno ocorre todos os dias apenas no período da manhã, geralmente coincidente com o nascer do sol, o que obriga que o visitante lá esteja por volta das 06:00 hs. Após sacolejarmos um par de horas por uma íngreme subida em estrada de terra no escuro e cheia de curvas em um ônibus de turismo de segunda categoria, finalmente conseguimos chegar ao local a tempo de asistir ao maravilhoso espetáculo que a natureza oferece.

Os guias ressaltam (inclusive citando precedentes de fatalidades) que é preciso ter muita cautela até mesmo por onde pisar, eis que um simples passo em falso, pode fazer com que a pessoa afunde em uma dessas poças, eventualmente encobertas por um solo instável e venha a sofrer queimaduras irreversíveis e letais.

geisers del tatio

Tomadas as devidas cautelas, e terminado o ‘show’ natural, os guias te convidam para um café da manhã (desayuno) servindo ovos cozidos e leite quente, ambos calefados no próprio Geiser. Surreal a experiência. Nesse momento, sente-se um frio desesperador, pois ao nascer do dia, a temperatura no local beira os 10 graus negativos, sendo certo, obviamente, que ela vai subindo na medida em que o dia vai avançando. Após o café da manhã servido, fomos a uma piscina natural de águas muito quentes mas, embora alguns de nossos colegas de passeio tenham se aventurado a um mergulho, ficamos inibidos por conta do frio intenso que ainda fazia. Esse passeio também foi imperdível! Espetacular.

Na parte da tarde, antes do retorno a San Pedro, o tour passou por alguns povoados incas, a lagoa Inca Coya e o pueblo de chiu-chiu, onde fica a igreja mais antiga do Chile. Curioso que alguns dos locais temem o ritual das fotografias, por acreditarem que o flash das câmeras poderia roubar suas almas. Por respeito, evidentemente, não tiramos fotos deles.

Descansamos no hotel e, à noite, fizemos o famoso tour astronômico de San Pedro, bem manjado mas legalzinho, na casa do astrônomo francês que recebe os visitantes, (na verdade o passeio inclui a ida até a casa do sujeito e o retorno ao hotel) e faz uma palestra sobre o universo e as estrelas, indo depois para o quintal mostrar aos turistas a lua e demais corpos celestes pelas lentes de seu super telescópio. E finaliza a brincadeira, que dura entre 1h e 30 e 2 horas, oferecendo um chá com café e biscoitos. O deserto do atacama é conhecido como “o céu mais limpo e estrelado do mundo”, por isso tantos astrônomos vão até ele para realizar seus estudos. Esse é o marketing do negócio. Não achei um programa nota 10, mas valeu a pena, tipo, nota 8,5.

No dia seguinte, nosso último dia inteiro no povoado, dedicamos a manhã a passear pelo centrinho de San Pedro de Atacama, com suas lojinhas de artesanato, igrejas e ruas de terra batida que levantam muita poeira vermelha com o vento e também com o movimento contínuo dos veículos de todas as espécies. Após o almoço, fomos fazer o derradeiro tour desta etapa da viagem, indo visitar o extraordinário Valle de la Luna.

Valle_della_Luna_(Valley_of_the_Moon)_Chile_Luca_Galuzzi_2006

O Valle de la Luna está localizado em um vale de origem vulcânica e o local mais parece com uma paisagem lunar mesmo (daí o seu nome artístico) dotado de uma rara beleza e um variado número de formações rochosas inéditas e surpreendentes, decorrentes de uma lenta e contínua erosão eólica, onde predominam os tons de branco, ocre e tijolo. A foto acima foi tirada do alto de seu mirante, por onde se chega após subir um trecho de morro com uma pequena escadaria e caminhar por uma duna de areia e de onde se tem uma vista espetacular de toda a região, e se pode assistir ao deslumbrante pôr-do-sol chileno. Parece um cenário do filme Guerra nas Estrelas de George Lucas. Foto da estrada que leva ao Valle:

estrada valle de la luna

Após a visita na sua parte baixa, onde predominam todas as formas possíveis de esculturas naturais em pedra, subimos pela montanha, trilhamos a extensa duna e assistimos ao sol se por do alto do mirante, em um espetáculo de contemplação silenciosa, onde o único barulho que se ouvia, além da imensidão vazia era a voz aguda do soprar do vento, fortíssima e tão cheia de lamento. Fotos abaixo:

felipe e o valle de la luna

karine e o valle de la luna

por do sol valle de la luna duna

Não deixe de visitar o Atacama! Ele tem muitas surpresas a te oferecer.

No dia seguinte, extasiados pelos cenários percorridos nos 4 dias anteriores, e dando sequência à nossa aventura chilena, rumamos para o extremo sul do país para visitar a patagônia e o parque Torres del Paine. Esta parte da viagem será tema de um outro post…

 

Do Rio pro Mundo

14 pensamentos sobre “Atacama: magníficas impressões sobre o deserto mais seco e o céu mais estrelado do mundo!

RubénPublicado em  4:13 pm - ago 22, 2013

Obrigado, el desierto de Atacama es maravilloso, como también los glaciares del sur de Chile.

Ricardo VaronPublicado em  7:09 pm - ago 23, 2013

Felipe, quantos dias levou sua viagem para percorrer todo o chile? Dá para fazer tudo em quanto tempo? Tu estava bem magro nas fotos….. Seria legal , mas talvez trabalhoso, se vc pudesse colocar um mapa, com a sua rota pela viagem. É so um comentario.
abçs

    Do Rio pro MundoPublicado em  1:10 am - ago 24, 2013

    Olá Varon, tudo bem?

    Minha viagem durou 15 dias. Ficamos 5 em Santiago (com um para ida a Viña del Mar y Valparaíso), 5 no Atacama e 5 na Patagônia Chilena.Vou tentar te mandar o mapa do roteiro. Mas foi tudo de avião. Chegamos por Santiago, que fica no meio, depois fomos ao norte, descemos ao extremo sul, voltamos a Santiago e retornamos ao Brasil, finalmente.

    Um grande abraço, Felipe

Boia PaulistaPublicado em  11:33 am - ago 29, 2013

Oi, Felipe. Tudo bem? 🙂

Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

Até mais,
Natalie – Boia

mimiPublicado em  4:04 pm - ago 30, 2013

Parabéns Felipe por mais este maravilhoso post….lindo, lindo e que fotos em?abs Mimi.

Helena SanadaPublicado em  3:52 pm - out 12, 2013

Parabéns pelo texto e pelas fotos. Gostaria de saber se vocês contrataram os passeios lá em San Pedro de Atacama ou desde aqui do Brasil. Um abraço.

    Do Rio pro MundoPublicado em  11:14 pm - out 12, 2013

    Muito obrigado Helena por seus elogios. Fico feliz que vc. tenha gostado do post e do blog.

    Eu contratei os serviços desde o Brasil, até porque não sabia bem como a coisa toda funcionava. Mas, são diversas operadoras oferecendo os mesmos serviços em Cada esquina de San Pedro de Atacama. Em minha opinião, não há necessidade de reservar ou pagar antecipadamente os passeios aqui do Brasil!

    Um abraço e, em breve postarei sobre a patagônia e o parque Torres del Paine.

    Felipe

Victória MatosPublicado em  2:26 am - dez 15, 2013

Olá,

Quero fazer esse mesmo percurso que vocês fizeram com 3 dias no Salar de Uyuni e 4 dias no Deserto de Atacama, passando pelo tour astronômico. Então, gostaria de saber com qual agência vocês conseguiram esse roteiro e quanto foi. A que horas começou o tour pelo Salar e quando chegaram em San Pedro de Atacama.

Obrigada

    Do Rio pro MundoPublicado em  8:38 pm - dez 21, 2013

    oLÁ vICTÓRIA, DESCULPE A DEMORA NA RESPOSTA.

    Bem, na verdade, em relação ao tour astronômico, eu não fiz nenhum agendamento prévio, mas quando cheguei a San Pedro de Atacama, vindo de Calama, busquei informações no hotel sobre os melhores passeios na pp. cidade e, recebida a indicação veemente deste tour, contratei diretamente. Não se preocupe, são muitas opções disponíveis. Como não sabia, contratei do Brasil apenas os 3 passeios mais famosos, o salar, os geisers e o valle de la luna. mas, usei o trip advisor e contactei uma agencia local mesmo de San Pedro. Desculpe, mas agora não me recordo o nome.O tour pelo Salar começou por volta das 8;30 da manhã. O mais puxado é o passeio aos Geisers delTatio, quando a pessoa precisa acordar por volta das 3 horas da madrugada.

    um abraço.

ANNDREPublicado em  12:35 am - jan 16, 2014

COM UMA MULHER DESTA ..AMIGO ! O MELHOR LUGAR É O DESRTO, DIMIUI AS CHANCES DE POSSÍVEIS “INTERVENTORES”, BOA SORTE E NÃO SAI DAÍ,,,

    Do Rio pro MundoPublicado em  11:04 am - jan 16, 2014

    Kkkk! Valeu Andre, boa tese! obrigado pelos elogios à Karine. Mas, se eu ficasse no deserto, como é que iria conhecer outros lugares e fazer novas viagens??? Rs

    Um abraço.

Deixe sua mensagem

sete − cinco =